Pesquisar este blog

domingo, 1 de maio de 2016

Recife - Pernambuco



Recife dos navios. Era assim que chamada essa cidade plantada à beira do mar e à beira do rio. Era apenas um porto de Olinda, a capital de Pernambuco nos idos de 1535. E exatamente por essa condição de porto que Recife tornou-se um ponto de encontro de povos de várias culturas, um mosaico de costumes, o que gerou a cidade de maior diversidade cultural do país e que a todos encanta.

Essa diversidade cultural vai desde a sua gastronomia. Recife tem o terceiro polo gastronômico do país que dispõe de opções para todos os gostos. Desde o amante da comida vegetariana, até os que apreciam os sabores mais picantes, como a cozinha mexicana, a cozinha baiana, entre tantas outras opções. Além dos restaurantes com pratos típicos locais, como é o caso da Peixada Pernambucana, a Galinha a Cabidela, o Arrumadinho.

Sem falar da grande variedade de frutas que são encontradas, seja em forma de sucos, seja na sua forma natural. Além da deliciosa água de coco, é claro!

E os doces, que é um registro vivo do período do chamado Ciclo do Açúcar e dos Engenhos. São compotas, doces, e bolos, como o tão apreciado Bolo de Rolo e o Bolo Souza Leão, que remonta ao tempo do Brasil Império.

Não podemos esquecer a famosa Cartola, uma das sobremesas mais apreciadas pelos da terra e pelos visitantes, que faz qualquer um esquecer a balança!

Sem falar das comidas de milho, tão comum no período de festas juninas.

Recife é festa! Essa diversidade cultural também pode ser comprovada nas suas festas, que começa pelo primeiro dia do ano, o réveillon.

O réveillon de Recife possui dois polos de animação, sendo uma onda de pessoas de branco à beira mar da belíssima Praia da Boa Viagem. O réveillon de Boa Viagem regado a champanhe, cerveja gelada ou água de coco ouve além das explosões de fogos de artifícios, shows de artistas locais, com muito frevo, além de artistas nacionais convidados, numa mistura de ritmos musicais que só o Brasil possui.

O réveillon do Recife também pode ser curtido no Marco Zero do Recife, que também dispõe de shows de artistas nacionais e locais, além da queima de fogos, abrindo o novo ano.

E a partir de então, começa o Recife a respirar o Carnaval. Já é carnaval no Recife! O carnaval multicultural do Brasil. O carnaval do Recife é conhecido como o carnaval multicultural por reunir vários ritmos como o frevo, o maracatu, o caboclinho, a ciranda, o pastoril profano, o samba, o mangue beat, o afoxé.

O carnaval do Recife começa com suas prévias em clubes, em bailes de máscaras, nos ensaios dos blocos líricos, blocos de frevo, ensaios e maracatu, ensaios de escola de samba. No carnaval do Recife o frevo disputa com o maracatu de baque virado ou maracatu nação, com o maracatu de baque solto ou maracatu rural, disputa com o caboclinho, disputa com os afoxés, mas não falta os chamados perseguidores de todos esses ritmos contagiantes.

O carnaval começa oficialmente na sexta feira de carnaval com várias nações de maracatu, seguindo com o Galo da Madrugada, o maior bloco de carnaval do mundo, constante no Guinness Book, no sábado de Zé Pereira. E assim segue todos os dias de carnaval, numa folia contagiante.

Um registro especial para a Noite dos Tambores Silenciosos, que acontece na segunda-feira de carnaval, onde todas as nações de maracatus vão prestar homenagem aos Oguns (almas) no Pátio do Terço. Nessa festa, que recebe a atenção de todos os visitantes do carnaval de Recife, à meia noite todos os tambores silenciam para reverenciar os seus antepassados, num espetáculo de grande emoção.

Segue os demais dias no carnaval do Recife com grande animação até que chega “...oh quarta-feira ingrata chega tão depressa só pra contrariar...”



E Recife agora se prepara para as Paixões. Pernambuco das Paixões. É o ciclo da quaresma. Nesse período iniciam as procissões tradicionais, procissões que existem desde o período do Brasil colônia. Com grande emoção Recife assiste a Procissão do Encerro e a Procissão dos Passos, que levam multidão às ruas do Recife.

Além do belo espetáculo da Paixão de Cristo. Do Recife pode-se visitar Nova Jerusalém e assistir ao espetáculo da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, em Fazenda Nova.

Terminado o período da semana santa, o Recife começa a pensar no seu ciclo junino. No Recife é São João! E respeita as tradições. É forró! São quadrilhas, coco de roda, ciranda.

Com um autêntico forró pé-de-serra o Recife tem um grande São João, com vários polos de animação espalhados pela cidade, com música e comidas típicas durante todo o mês de junho. Artistas como Arlindo dos 8 baixos apresentam-se em várias casas de forró, como a Casa de Zé Nabo, Sala de Reboco, Aconchego do Matuto, Cafundó e no Forró do Arlindo dos 8 Baixos. Músicas de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião e de seus discípulos são ouvidas por todos os polos de animação do São João do Recife.

Além das festas do período junino, um destaque para a comida típica, a gastronomia do ciclo junino, com suas mesas fartas de comidas de milho, que é herança do europeu na formação do povo nordestino. Mesas compostas de canjica, pamonha, milho cozido, milho assado, o bolo pé-de-moleque, vários tipos de tapiocas, mungunzá, etc.

Mas o gosto pela diversidade na cultura se estende para os festivais que acontecem em Recife.

O Festival de Cinema, o Cine-PE de Audiovisual reúne o maior número de espectadores do Brasil, no Centro de Convenções de Pernambuco.

A Fenneart – Feira Nacional de Negócio de Artesanato é hoje a maior feira de artesanato da América, reunindo stands de quase todos os municípios do Estado de Pernambuco, quase todos os Estados do Brasil e quase todos os Países da América Latina, além de lugares como Síria, Índia, Líbia, Líbano e Ilha de Java, e tem também apresentações de shows diariamente.


E o Recife de dois em dois anos recebe a Bienal do Livro que leva milhares de leitores ao Centro de Convenções de Pernambuco.

Além de vários congressos que o Recife recebe durante todo o ano, no Centro de Convenções de Pernambuco. Com capacidade para receber mais de 6.000 pessoas, 02 teatros, 04 auditórios e 22 salas de convenções com capacidade para abrigar eventos de pequeno, médio e grande porte com conforto, funcionalidade e dinamismo.

São todos esses ritmos, cheiros, sabores e cores que rodeiam o Recife que inspiram poetas do presente e do passado.

E o Recife possui o passeio turístico denominado Circuito dos Poetas, que trata-se de um passeio que leva-nos ao encontro com Manuel Bandeira, João Cabral de Mello Neto, Joaquim Cardoso, Solano Trindade, Capiba, Antônio Maria, Chico Science, Mário Mota, Carlos Pena Filho, Ascenso Ferreira, Clarice Lispector e o Dom da Paz, Dom Hélder Câmara. Durante esse passeio o visitante pode conhecer as ruas históricas do Recife, como por exemplo, Rua do Bom Jesus, com seu casario que registra o período do Brasil Holandês, que teve sua sede em Recife, sob a batuta do Conde Maurício de Nassau.

Além de conhecer as dezenas de igrejas existentes na cidade, como as belas igrejas de São Pedro dos Clérigos, Igreja Nossa Senhora do Carmo, a Capela Dourada, o Convento Franciscano, entre tantas outras. Nesse passeio o visitante poderá fazer compras na Casa da Cultura de Pernambuco (antiga Casa de Detenção) ou no Mercado de São José, o mercado público mais antigo do Brasil, com suas estruturas arquitetônicas preservadas. Nesses pontos de compras o visitante poderá comprar artesanatos, além de ervas e até fazer uma visitinha à loja de Dr. Raiz, além de consultar as rezadeiras que possuem nos boxes do mercado.

E por falar em diversidade cultural, a religiosidade é um capítulo à parte. No Recife, o visitante poderá fazer o turismo religioso católico, onde são contempladas a Igreja Nossa Senhora do Carmo, o túmulo de Frei Damião, o Santuário da Mãe Rainha Três Vezes Admirável, e o santuário de Nossa Senhora no Morro da Conceição.

Mas a religião de Recife também tem sua diversidade, e o culto afro-brasileiro também é contemplado, com visitas a terreiros de candomblé ou de Xangô, como é comum aos da terra, como é o caso do Terreiro de Pai Adão e o Terreiro Santa Bárbara da Nação Xambá.



E para a preservação desse grande legado de diversidade cultural, os museus são vários.

Destaque para Museu do Homem do Nordeste, Fundação Gilberto Freyre, Instituto Ricardo Brennand, Oficina Cerâmica de Francisco Brennand, Memorial Luiz Gonzaga, Museu de Arte Popular, Casa do Carnaval, Núcleo Afro Brasileiro, Mamam – Museu de Arte Moderna Aluízio Magalhães, Museu da Cidade do Recife, Museu do Estado, com um destaque para a coleção do artista plástico Cícero Dias etc.

Além dos museus, ainda pode-se visitar o Forte das Cinco Pontas e o Forte do Brum, além da Sinagoga Kahal Zur Israel, a primeira sinagoga das Américas, do período holandês no Brasil.

Além dessas opções por terra, ainda podemos conhecer o Recife pelo Rio Capibaribe, em um passeio de catamarã, passado por baixo de várias pontes que cortam o centro do Recife.


Ou, se você preferir, pode conhecer o Recife pelo ar! Através do passeio panorâmico, possibilitando a visão panorâmica de todas as ilhas do Recife, além de Olinda e de todo o litoral sul e norte de Pernambuco.


E pra quem quiser curtir um mergulho, atenção, você está na capital dos naufrágios. Recife é considerada a capital dos naufrágios. O Recife possui mais de vinte navios naufragados, alguns com 400 anos. Um dos mais procurados pelos veteranos é o Pirapama. Para isso o Recife dispõe de escolas de mergulho para os iniciantes, bem como para os veteranos, que vêm em busca de águas claras e mornas.

Mas quem quiser ficar em terra, vale a pena jogar Golf no Caxangá Golf.


E nos intervalos, nada como experimentar a bela praia de Boa Viagem, com suas águas calmas e mornas, com piscinas naturais, promovidas pela ocorrência dos arrecifes que tanto impressionaram Charles Darwin, no ano de 1836, a bordo do navio Beagle, que viajou durante cinco anos.

No Bairro de Boa Viagem o visitante encontra uma excelente rede de hotéis, restaurantes, lojas e supermercados, e do Shopping Center Recife, além de clínicas e hospitais. O Bairro de Boa Viagem fica a apenas 10 minutos do Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre, possibilitando ao máximo sua estada na capital multicultural do Brasil.

E mais, fica apenas a 20 minutos de Olinda, patrimônio da humanidade e primeira capital brasileira da cultura.
Vamos até lá?!

Nenhum comentário:

Postar um comentário